Quer receber as publicações do Uhull S.A. diretamente no Facebook?
Curta a nossa fanpage e seja notificado de tudo que sai aqui no Blog.

Esse vídeo foi produzido para uma série exibida na A&E americana e mostra um polêmico, e extremamente eficiente, “tratamento de choque” para evitar que crianças e adolescentes continuem a tentar a vida no crime.

O tratamento consiste em levar os jovens infratores para uma penitenciária, como um outro preso qualquer, para travarem contato com presos “extremamente perigosos” (que na verdade são treinados para esse fim e fazem um teatro para assustá-los)

Segundo informações das autoridades americanas, os resultados são expressivos e até 90% dos jovens acabam abandonando a vida no crime depois da experiência.

Assista o vídeo e imagine se a aplicação funcionaria no Brasil.

Os presos inclusos nesse programa são beneficiados com redução de pena e ainda ajudam na recuperação de outras pessoas.

Um programa onde todos saem ganhando e ainda acabam livrando algumas crianças da vida criminosa.

COMPARTILHAR
  • No Brasil nunca ia funcionar, ou iam aparecer todos os Assistentes Sociais defensores dos direitos dos crimi, digo, direitos humanos ou os presos iam fazer essas cena e aproveitar pra mandar recados lá pra fora, recrutar eles como informantes…
    Mas que seria uma boa, isso seria

  • Ken Hung Huang

    Que forma ótima de punir os jovens delinquentes (no meu dizer, os chupetinhas que acham que podem tudo). Se não aprende na boa, aprende na marra.
    Além de traumatizar o pentelho, os presos possuem a pena reduzida, dois coelhos com uma cajadada só!

    Sem preconceito, na boa, mas os negros americanos falam de uma forma muito “engraçada” kkkk, acho muito show a forma que eles falam!

  • Paulo Freitas

    Aqui no Brasil fazem pior, os moleques, quando são detidos presenciam todo tipo de violência, e na maioria das vezes são soltos logo após, eles vêem um estado frágil e corrompido, eles tem a certeza da impunidade e o que falar do sistema penintênciário? Cadeias super-lotadas onde os presos são submetidos a condições desumanas, eles saem de lá mais animais do que entraram

    • Rafael

      Ta com do? leva estes anjinhos, para tua casa.

  • Mardonio Alves

    experiencia traumática que em alguns casos resolveria. em outras poderia incitar mais violência. como o amigo citou anteriormente , os “direitos humanos” defenderia os pobres inocentes… e alguns seriam recrutados. No fim das contas, pra resolver o problema da violência , teriam que investir pesado em educação, mas isso só iria repercutir na sociedade depois de 2 ou 3 gerações, então não creio que vejamos uma melhoria significante no quesito violência.

    • White Poney

      Certo cara, tão manjão que o gordão aí com cara de tia velha manja mais de plsicologia que os caras que planejaram isso. Aham.

  • Isso é bastante relativo. Do mesmo modo que existem jovens que apos um tratamento desses não voltão a criminalidade existem tbm aqueles que depois de uma experiencia “traumatica” se voltam de vez para a bandidagem, como ja foi dito nos comentarios o unico modo para que isso mude é investindo pesado em educação. Se até em países de primeiro mundo que tem alto investimento em educação tem casos desse tipo, o que dizer do nosso querido Brasil? O remedio para cada um é diferente, o dificil é isso! O ser humano é muito complexo, as vezes o que funciona pra um não tem nenhum efeito para outro.

    • Guest

      Lavagem cerebral resolve algumas coisas, só que deixa sequelas.

    • Ágape Gutemberg

      Lavagem cerebral inibe alguns atos, só que deixa sequelas.

    • Caique Ribeiro

      Medida a longo prazo sem dúvidas é de investir pesado na educação, como disse.
      Medida de curto prazo seria essa de choque, enquanto tem resultado acho válido!

      Sobre as cadeias no Brasil, como vai reeducar alguém que não teve educação?

  • Kleiton Oliveira

    “Segundo informações das autoridades americanas, os resultados são expressivos e até 90% dos jovens acabam abandonando a vida no crime depois da experiência.” Sem esse mi mi mi de trauma!!!

  • Diego Pinheiro

    Como se os jovens aqui que vão pras penintenciárias, delegacias e reformatórios não passassem por isso, até mesmo nas mãos da polícia quando são pegos. Que post inoportuno.

    • Rafael

      Meu, vai se foder com suas asneiras, nao tem o que falar cala a boca asno.Onde voce leu que aqui acontece a mesma coisa? so se leu no teu rabo , sua anta. Menor ou DEMenor, aqui, é IMPUTAVEL.

      • Diego Pinheiro

        Mimimi, ficaram sem ter o que argumentar e partiram pra ofensa. Hahahaha. Típico coxinha revoltado de internet. Vai, machão virtual! Hahahaha

    • White Poney

      Tem que rir desses esquerdinhas amantes de bandidos.

  • Americanos fazendo americanices (…) Lógico, vamos aplicar aqui porque nossa pagação de pau pra gringo não tem fim. Haja vista a propaganda que fazem Datena e Marcelo Rezende. Será que teria funcionado com o Beira-Mar ou o Champinha? Você que lê não é burro, e sabe que não. No fundo, o fascismo da nossa sociedade emerge a partir do momento que se vê uma sociedade economicamente desigual, querer atropelar ou “assustar” jovens infratores que precisam cumprir sim suas penas, a medida que são ressocializados para através da EDUCAÇÃO, procurarem uma vida mais digna. O que é mais fácil, dar condições de igualdade (educação de qualidade e participação efetiva no mercado de trabalho), ou esperar que num mundo que só valoriza o lucro em detrimento da ética, que esses jovens sejam “corrigidos” com a truculência do estado?

    • White Poney

      Cara, na moral, cala a boca. Tinha que ser esquerdinha pra vir com esse ranço de gringo.

      • Não calo minha boca não, cale-se você! Já basta os que se calam diante dos pretensos machões da grande mídia que citei anteriormente, que criaram bordões preconceituosos como “bandido bom é bandido morto”. Dobre a tua língua rapaz, antes de me chamar de “esquerdinha”. Sou de esquerda e não nego, principalmente quando percebo viver numa sociedade infestada de “coxinhas” como tu. E antes de sair tirando conclusões, deveria ter aberto o diálogo para perceber que não, não tenho ojeriza à gringo. Entretanto, não sou reducionista a ponto de achar que um país poderoso que se sustenta a base de indústria bélica, fomentando conflitos ao redor do mundo estabelecendo mercados consumidores ávidos por armamento, seja o modelo digamos mais ético de política a ser copiado por aqui. Nem esse modelo é ético tampouco o modelo chinês de exploração de mão-de-obra boa e barata, já prevendo respostas prontas do tipo “vai pra Cuba, comunista come criancinha e na ditadura que era bom”.

        • Diego Pinheiro

          Não alimente os trolls. Mas o post em si realmente foi uma desgraça. Ideia péssima, bola fora total

          Só os neo-reaças pra achar uma ideia dessa algo útil. Vão estudar, asquerosos. Vão ver como a população carcerária de países exemplo, e não dessa bosta que vocês tratam como modelo de país.

  • Maurício Gonçalves Vieira

    laranja mecânica

    • Felipe

      Foi a primeira coisa que pensei!

  • Matheus Henrique da Silva

    Orange is the new black feelings!