Quer receber as publicações do Uhull S.A. diretamente no Facebook?
Curta a nossa fanpage e seja notificado de tudo que sai aqui no Blog.

Captura de Tela 2015-05-24 às 21.46.35

Os pesquisadores da Universidade Johns Hopkins divulgaram um trabalho que estava sendo feito há anos na instituição, o controle de próteses robóticas através do pensamento.

A matéria foi publicada pela NY Times, que ainda mostrou um vídeo “in action” das próteses.

Les Baugh perdeu seus dois membros em um acidente elétrico em 1970. Até junho de 2014, o homem utilizava duas próteses mecânicas, e aceitou ser “cobaia” dessa nova tecnologia.

Antes de fazer o experimento, Baugh precisou fazer uma cirurgia de “inervação muscular”, uma forma de “reprogramação” nas terminações nervosas para se adaptarem a nova prótese.

Os pesquisadores afirmaram que essa prótese ainda é um protótipo e está em fase de testes. Baugh ainda não pode utilizá-las sozinho, já que todos os testes são feitos com acompanhamento médico.

Ciborgues à caminho.

COMPARTILHAR
  • FMA

  • Flavio

    Muitas pessoas no mundo a fora sao deficientes por varios motivos, e buscam uma forma de viver melhor do que os que sao “normais”. A ciencia que tanto nos ajuda é a mesma que muito nos incomoda, exemplo, quantos bilhoes e bilhoes de dinheiro e inteligencia ja foram gastos com pesquisas espaciais? Se pegarmos parte disto ja gasto, hoje teriamos próteses super inteligentes mas, boa parte do ser humano é a pior raça que existe na terra…

    • Dihhann

      Não é bem assim cara, se você tivesse se referido ao que é gasto com armamentos, por exemplo, até seria mais fácil de entender seu posicionamento, mas com pesquisas espaciais, não. Muitas tecnologias que utilizamos e talvez até mesmo as utilizadas na prótese vêm de tecnologias desenvolvidas na pesquisa aeroespacial.
      Creio que toda busca por conhecimento visando melhorar a vida da humanidade ou entender o universo que nos cerca é válida. Não vou filosofar ou me aprofundar por aqui, mas certamente falta investimento em mais pesquisas assim.